Home / Pricípios ativos / Silimarina

Silimarina

( Hepatoprotetor e Protetor hepático )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Não

Tipo de Receita

SD

Manipulado

Cápsulas; Suspensão oral

Indicação


A silimarina (Silybum marianum) é o princípio extraído do fruto do Cardus mariana. Seu principal componente é o flavonoide silibinina, mas contém outros componentes como a isosilibinina, silidianina e silicristina. Atua como estabilizador das membranas das células do fígado (hepatócitos), resguardando sua integridade e, assim, a função fisiológica do fígado. Protege, experimentalmente, a célula hepática da influência nociva de substâncias tóxicas externas ou internas. A partir de 4 semanas de tratamento, silimarina proporciona melhora gradual e progressiva dos sintomas clínicos associados aos casos de hepatite, cirrose hepática ou lesões tóxicas do fígado, tais como distúrbios digestivos, desconforto abdominal, fraqueza, falta de apetite e enjoo.

Posologia


Conforme a gravidade dos sintomas, recomenda-se: Início do tratamento com duas drágeas, três vezes ao dia. Como dose de manutenção, administrar uma drágea, três vezes ao dia. Nos casos mais graves e a critério médico estas doses podem ser aumentadas. Geralmente, utiliza-se 70 a 140mg, 3 vezes ao dia, após as refeições, durante 5 a 6 semanas. Em suspensões contendo 10mg/mL, crianças de 10 a 15Kg devem administrar 2,5mL/3 vezes ao dia. Crianças de 15 a 30Kg, 5mL/3 vezes ao dia. Adolescentes devem ingerir 7,5mL/3 vezes ao dia, e adultos, 10mL/3 vezes ao dia.

Restrições de uso


Uso adulto

Interação Medicamentosa


Até o momento não foram encontrados relatos de interação medicamentosa ou com alimentos e a silimarina.

Contraindicação


Silimarina não deve ser usado por pacientes com alergia aos componentes da fórmula. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente o seu médico em caso de suspeita de gravidez. Também não deve ser utilizado durante a amamentação, exceto sob orientação médica.

Observações


Siga SEMPRE as orientações do seu médico. Evite a auto-medicação. “SILIMARINA É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA” “SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO”.

Reações Adversas


Geralmente a silimarina é bem tolerada pelo organismo, entretanto as seguintes reações adversas foram relatadas: Reações raras: diarreia leve. Reações muito raras: hipersensibilidade (alergia), erupção cutânea (brotoejas), dispneia (dificuldade de respirar).

Bibliografia


LEGALON. Laboratório TAKEDA. Bula do medicamento. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp. Acesso em junho de 2017. SILIMALON. Laboratório Zydus Nikkho. Bula do medicamento. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp. Acesso em junho de 2017.