Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Pravastatina

Pravastatina

( Anticolesterolêmico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

Prevenção da doença arterial coronariana Em pacientes com aumento do colesterol (hipercolesterolemia) sem doença do coração, pravastatina sódica é indicada associada à dieta para reduzir risco de infarto do miocárdio (infarto do coração). Também é indicada associada aos procedimentos de revascularização do miocárdio (cirurgia de ponte do coração ou cateterismo), quando necessário, assim como na melhora da sobrevida destes pacientes por proporcionar uma redução do risco de morte. Doença arterial coronariana Em pacientes com histórico de infarto do miocárdio ou angina pectoris instável (dor no coração), pravastatina sódica é indicada: para diminuir o risco de morte, tanto pela doença arterial coronariana quanto pela repetição de evento anterior (inclusive infarto do miocárdio); para diminuir a necessidade de procedimentos de revascularização (por cirurgia ou cateterismo) e para diminuir a necessidade de hospitalização. Hipercolesterolemia e dislipidemia Este medicamento é indicado para a redução dos níveis elevados de diversas gorduras prejudiciais do sangue (LDL-colesterol, colesterol total, apolipoproteína B e triglicérides) e para aumentar o HDLcolesterol em pessoas com hipercolesterolemia primária e dislipidemia, como adjuvante da dieta, quando a resposta à dieta e a outros tratamentos não farmacológicos (por exemplo, exercício, redução de peso) é insuficiente. Antes de se iniciar o tratamento com pravastatina sódica, as outras causas de aumento do colesterol deverão ser excluídas. Entre essas outras causas destacam-se: a obesidade, o diabete mal controlado, hipotireoidismo, síndrome nefrótica, alterações nos níveis de proteína, doença do fígado, tratamento com outros medicamentos, o alcoolismo. Progressão da doença aterosclerótica e eventos cardiovasculares Em pacientes com colesterol alto ou doença cardiovascular, este medicamento está indicado como adjuvante à dieta para reduzir a velocidade de progressão da aterosclerose e para reduzir a incidência de ataques cardiovasculares. Transplantes Após o transplante de órgãos sólidos (coração e rins), pravastatina sódica é indicada para aumentar a sobrevida e para reduzir o risco de rejeição aguda em pacientes com transplante renal.

Como usar?

-

Restrições de uso

Uso Adulto

- fibratos: o uso de fibratos em monoterapia está ocasionalmente associado à miopatia. Um aumento do risco de eventos adversos relacionados com os músculos, incluindo rabdomiólise, têm sido relatados quando os fibratos são coadministrados com outras estatinas. Esses eventos adversos com pravastatina não podem ser excluídos; por conseguinte, o uso combinado de pravastatina e fibratos (por ex genfibrozila, fenofibrato) deve ser evitado. - colestiramina/colestipol: a administração concomitante resultou na diminuição de aproximadamente 40 a 50% na biodisponilidade da pravastatina. Foi observado que a pravastatina administrada uma hora antes ou quatro horas após a colestiramina ou uma hora antes do colestipol, não causou diminuição clinicamente significativa da biodisponibilidade ou do efeito terapêutico da pravastatina. ciclosporina: a administração concomitante de pravastatina e ciclosporina conduz a um aumento de aproximadamente 4 vezes na exposição sistêmica à pravastatina. Em alguns pacientes, no entanto, o aumento da exposição à pravastatina pode ser maior.

Contraindicação

Grávidas, lactantes e indivíduos com hipersensibilidade.

Observações

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que possam ficar grávidas durante o tratamento. Este medicamento pode causar malformação ao bebê durante a gravidez.

Efeitos Colaterais

Sistema nervoso: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): tontura, dor de cabeça, distúrbios do sono, insônia. Olhos: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): alterações na visão (incluindo visão turva e visão dupla). Sistema gastrointestinal: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): dispepsia/azia, dor abdominal, enjoo/ vomito, prisão de ventre, diarreia, gases. Pele e tecido subcutâneo: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): coceira, rash, urticaria, anormalidades do couro cabeludo/ cabelo (incluindo queda de cabelo). Sistema renal e urinário: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): micção anormal (incluindo disúria, alteração na frequência, urinar muitas vezes a noite). Sistema reprodutivo e mamas: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): disfunção sexual. Desordens gerais: Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento): cansaço. Eventos de interesse clínico especial Eventos de interesse clínico especial Músculo esquelético Efeitos no músculo esquelético, por exemplo, dor musculo esquelética incluindo artralgia, cãibras musculares, mialgia, fraqueza muscular e níveis de creatinoquinase (CQ) elevados foram relatados em estudos clinicos. Efeitos hepáticos: Elevações das transaminases séricas foram relatadas. Pós-comercialização Além dos descritos anteriormente, os seguintes eventos adversos foram relatados durante a experiência pós-comercialização da pravastatina: Sistema nervoso Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): polineuropatia periférica, em particular, se usado por um longo período de tempo, parestesia. Sistema imune Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): reações de hipersensibilidade: anafilaxia, angioedema, síndrome do tipo lúpus eritematoso. Sistema gastrointestinal: Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): pancreatite. Desordens hepatobiliares: Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): icterícia, hepatite, necrose hepática fulminante. Sistema osteomuscular e tecido conjuntivo: Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): rabdomiólise, o que pode estar associado a insuficiência renal aguda secundária a mioglobinúria, miopatia. Casos isolados de desordens dos tendões, por vezes complicados por ruptura. Efeitos de classe: Os seguintes eventos adversos foram relatados com algumas estatinas: • Pesadelos; • Perda de memória; • Depressão; • Casos excepcionais de doença intersticial pulmonar, especialmente com a terapia de longo prazo; • Diabetes mellitus: Frequência vai depender da presença ou ausência de fatores de risco (glicose no sangue em jejum > 5,6 mmol/L, com IMC > 30 kg/m2 , triglicérides elevado, histórico de hipertensão).

Bibliografia

1. http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=6925232015&pIdAnexo=2780776 2. http://www.minhavida.com.br/saude/bulas/435-pravastatina-sodica-comprimido/interacoes