Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Pioglitazona

Pioglitazona

( Antidiabéticos )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

O cloridrato de pioglitazona é um medicamento antidiabético usado para tratar diabetes mellitus tipo II (não insulino-dependente), quando a metformina não for adequada ou falhou no controle adequado do diabetes. Este é um tipo de diabetes que usualmente se desenvolve na vida adulta.

Como usar?

-

Restrições de uso

Uso Adulto

- genfibrozila (usado para reduzir o colesterol) - rifampicina (usado para tratar tuberculose e outras infecções)

Contraindicação

Não utilizar cloridrato de pioglitazona: - se você apresenta hipersensibilidade (alergia) a pioglitazona ou a qualquer um dos componentes de cloridrato de pioglitazona; - se você tem insuficiência cardíaca ou já teve no passado; - se você tem doença hepática; - se você já teve cetoacidose diabética (uma complicação do diabetes, que causa rápida perda de peso, náuseas ou vômito); Se você tem ou já teve câncer de bexiga; - se você apresenta sangue na urina que seu médico ainda não avaliou.

Observações

-

Efeitos Colaterais

Como todos os medicamentos, cloridrato de pioglitazona pode causar reações adversas, mesmo que nem todo mundo as apresente. Em particular, os pacientes apresentaram as seguintes reações adversas sérias: Insuficiência cardíaca ocorreu frequentemente (1 a 10 usuários em 100) em pacientes tomando cloridrato de pioglitazona em combinação com insulina. Os sintomas são perda de fôlego incomum ou rápido ganho de peso ou inchaço localizado (edema). Se você apresentar qualquer um destes, especialmente se você tiver mais de 65 anos de idade, procure aconselhamento médico imediatamente. Câncer de bexiga ocorreu pouco frequentemente (1 a 10 usuários em 1000) em pacientes tomando cloridrato de pioglitazona. Sinais e sintomas incluem sangue na urina, dor ao urinar ou uma necessidade repentina de urinar. Se você apresentar qualquer um destes, informe seu médico quanto antes for possível. Inchaço localizado (edema) também ocorreu muito frequentemente em pacientes tomando cloridrato de pioglitazona em combinação com insulina. Se você apresentar essa reação adversa, converse com seu médico quanto antes possível. Fraturas nos ossos ocorreram frequentemente (1 a 10 usuários em 100) em pacientes mulheres tomando cloridrato de pioglitazona. Se você apresentar essa reação adversa, converse com seu médico quanto antes possível. Visão turva devido ao inchaço (ou fluido) na parte de trás do olho (frequência desconhecida) também foi relatada em pacientes tomando cloridrato de pioglitazona. Se você apresentar este sintoma pela primeira vez, converse com seu médico quanto antes possível. Além disso, se você já possui visão turva e o sintoma piore, converse com seu médico quanto antes possível. Reações alérgicas também foram relatadas (frequência desconhecida) em pacientes tomando cloridrato de pioglitazona. Se você possui uma reação alérgica séria, incluindo urticária e inchaço do rosto, lábios, língua ou garganta que pode dificultar para respirar ou engolir, pare de usar este medicamento e procure seu médico imediatamente. Outras reações adversas que foram apresentadas por alguns pacientes tomando cloridrato de pioglitazona foram: Frequentes (afetam 1 a 10 usuários em 100): - infecção respiratória - visão anormal - ganho de peso - formigamento Pouco frequentes (afetam 1 a 10 usuários em 1000): - inflamação da cavidade nasal (sinusite) - dificuldade para dormir (insônia) Frequência desconhecida (frequência não pode ser estimada pelos dados disponíveis) - aumento das enzimas do fígado - reações alérgicas Outras reações adversas que foram apresentadas por alguns pacientes tomando cloridrato de pioglitazona com outros medicamentos antidiabéticos foram: Muito frequentes (afeta mais de 1 usuário em 10): - redução do nível de açúcar no sangue (hipoglicemia) Frequentes (afetam 1 a 10 usuários em 100): - dor de cabeça - tontura - dor nas articulações - impotência - dor nas costas - perda de fôlego - pequena redução na contagem de células vermelhas do sangue - gases Pouco frequentes (afetam 1 a 10 usuários em 1000): - açúcar e proteínas na urina - aumento de enzimas - sensação de tontura (vertigem) - suor - cansaço - aumento de apetite

Bibliografia

1. http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=5093482015&pIdAnexo=2671778