Home / Pricípios ativos / Paroxetina

Paroxetina

( Ansiolíticos e Antidepressivos )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Sim

Tipo de Receita

Receita de Controle Especial (branca, 2 vias)

Manipulado

Cápsulas

Indicação


Cloridrato de paroxetina pertence a uma classe de medicamentos chamados de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS). Atua elevando os níveis de uma substância produzida pelo cérebro, a serotonina (5-hidroxitriptamina, ou 5HT). Assim como outras substâncias dessa classe, pode não eliminar os sintomas imediatamente. Os pacientes, de modo geral, se sentem melhor algumas semanas após o início do tratamento. Paroxetina é indicada para o tratamento de ADULTOS que apresentam algumas das condições abaixo: depressão (mesmo que, anteriormente, outros antidepressivos não tenham sido eficazes); comportamento obsessivo ou compulsivo (incontrolado); ataques de pânico, inclusive os causados por fobia (pavor) de lugares abertos (agorafobia); ansiedade generalizada (sensação de muita ansiedade ou nervosismo em situações rotineiras), inclusive em situações que exigem contato social; ansiedade seguida de evento traumático (transtorno de estresse pós-traumático): acidente de carro, assalto ou desastre natural, como enchente ou terremoto.

Posologia


Siga as instruções do médico sobre o modo de usar, a quantidade e os horários de tomar o medicamento. Recomenda-se tomar a paroxetina em dose única diária, pela manhã, com a alimentação. Você deve engolir os comprimidos, de preferência com um copo de água. As doses vão variar de acordo com a indicação do médico. A maior parte dos adultos deve tomar de 20 mg a 40 mg por dia. Se você tem mais de 65 anos, a dose máxima recomendada é de 40 mg por dia. Seu médico pode iniciar o tratamento com doses menores e aumentá-las com o passar do tempo. Para o tratamento de obsessões e compulsões, o médico pode sugerir doses de paroxetina maiores que 60 mg por dia. Assim como acontece com outros medicamentos psicoativos, você deve evitar a interrupção repentina do tratamento com paroxetina. Seu médico irá recomendar o regime de descontinuação.

Restrições de uso


Uso adulto acima de 18 anos

Interação Medicamentosa


É possível que os seguintes medicamentos interfiram nos efeitos de cloridrato de paroxetina: outros antidepressivos, como amitriptilina, nortriptilina, imipramina e desipramina; outras drogas que afetam a serotonina, como triptanos (usados para o tratamento da enxaqueca), lítio usado no tratamento de algumas desordens mentais), tramadol (usado para o tratamento da dor), triptofano e Erva de São João (usados para o tratamento da depressão); carbamazepina, fenobarbital e fenitoína, normalmente usadas para o tratamento de convulsões ou epilepsia; fosamprenavir/ritonavir, usados no tratamento do HIV; metoprolol, usado no tratamento de pressão alta, irregularidades dos batimentos cardíacos (arritmias) e angina; certos medicamentos que podem afetar a coagulação sanguínea e aumentar o sangramento, como anticoagulantes orais (varfarina), AAS (ácido acetilsalicílico) e outros Anti-inflamatório não esteroidais (como o ibuprofeno); tamoxifeno (utilizado no tratamento ou prevenção do câncer de mama). Não é aconselhável ingerir bebidas alcoólicas durante o tratamento com cloridrato de paroxetina. Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Contraindicação


Cloridrato de paroxetina é contraindicado para pacientes com alergia conhecida paroxetina ou a qualquer componente da fórmula. Não é recomendado a utilização de cloridrato de paroxetina para crianças e adolescentes menores de 18 anos de idade. Este medicamento não deve ser usado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião dentista.

Observações


Siga SEMPRE as orientações do seu médico. Evite a auto-medicação. “CLORIDRATO DE PAROXETINA É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA” SÓ PODE SER VENDIDO COM RETENÇÃO DA RECEITA. “CLORIDRATO DE PAROXETINA É UM MEDICAMENTO. DURANTE SEU USO, NÃO DIRIJA VEÍCULOS OU OPERE MÁQUINAS, POIS SUA AGILIDADE E ATENÇÃO PODEM ESTAR PREJUDICADAS” “SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO”.

Reações Adversas


Algumas das reações adversas atribuídas ao uso de cloridrato de paroxetina podem diminuir de intensidade e frequência com a continuação do tratamento e geralmente não causam sua suspensão. As reações mais comuns são enjoo, náuseas, diarreia, alterações da função sexual normal, como impotência e ejaculação precoce, ganho de peso corporal e diminuição do apetite. Os sintomas decorrentes da interrupção do tratamento, quase sempre ocorrem nos primeiros dias de interrupção ou, muito raramente, se você se esquecer de tomar uma dose. Entretanto, são mais comuns quando se interrompe o tratamento de forma repentina. Nunca interrompa o tratamento sem consultar seu médico. Na maioria dos casos, os sintomas são autolimitados (se resolvem por si sós) e desaparecem em alguns dias. Entretanto, se você sentir que os sintomas indesejáveis são muito fortes, consulte seu médico para obter orientação.

Bibliografia


AROPAX. PAXIL CR. Laboratório Glaxosmithkline. Bula do medicamento. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp. Acesso em junho de 2017. CEBRILIN. Laboratório LIBBS. Bula do medicamento. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp. Acesso em junho de 2017.