Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Melatonina

Melatonina

( Hormônios e Insônia )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

Cápsulas

A Melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo corpo humano que regula os processos relacionados ao sono e o ciclo circadiano. Sua produção pode reduzir com a idade e pela exposição a luz brilhante e a suplementação é capaz de induzir o sono, sinalizando ao corpo que é o momento de dormir. Ela é indicada para distúrbios de sono como a insônia, melhorando a qualidade e duração do sono.

Como usar?

A orientação mais comum é de consumir até 3mg ao dia, entre uma e duas horas antes de dormir ou conforme avaliação do profissional de saúde até 20mg ao dia.

Restrições de uso

Uso Adulto e Pediátrico

Nunca use a melatonina concomitantemente com medicamentos sedativos (Clonazepam, Lorazepam, Fenobarbital, Zolpidem, etc), pois a sonolência será excessiva. Nunca a utilize também se estiver fazendo uso de imunossupressores, como os transplantados, por exemplo. A melatonina é um estimulante para o sistema imunológico. Não utilize a melatonina fazendo o uso de drogas anticoagulantes. A melatonina pode afetar processos de coagulação sanguínea, o que aumenta consideravelmente os riscos de hemorragia. Os anticoncepcionais parecem estimular a produção endógena de melatonina. Evite a suplementação com a melatonina sintética. A ingestão de bebidas ou suplementos a base de cafeína diminuem a eficácia da melatonina. Antidepressivo fluvoxamina aumenta a absorção da melatonina e, com isso, as ocorrências de efeitos colaterais são mais iminentes. A melatonina pode diminuir a eficácia do anti-hipertensivo Nifedipina. O medicamento Verapamil diminui a eficácia da melatonina por estimular sua eliminação do organismo. O medicamento Flumazenil também diminui sua eficácia.

Contraindicação

O uso da melatonina é contraindicado em casos de gravidez e aleitamento. É recomendável evitar o uso da melatonina para bebês e crianças. Uma terapia hormonal por si só é bastante delicada, pois interfere em todo o sistema neuroendócrino, especialmente em faixas etárias mais baixas, para aqueles que estão em plena fase de desenvolvimento. Trabalhadores não devem operar máquinas cerca de 4 a 5 horas depois da ingestão de melatonina. A melatonina sintética é contraindicada para pessoas com histórico de angina e infarto.

Observações

-

Efeitos Colaterais

A melatonina é considerada uma substância de baixa toxicidade e uso seguro principalmente se comparada com diversos fármacos de uso comum, principalmente os hipnoindutores. Foram relatadas reações como fadiga, cefaleia, tontura e irritabilidade, além de sonolência diurna. O efeito em longo prazo ainda é desconhecido.-

Bibliografia

Galano, Annia, Dun Xian Tan, and Russel J. Reiter. “Melatonin as a natural ally against oxidative stress: a physicochemical examination.” Journal of pineal research 51.1 (2011): 1-16. Garfinkel, D., et al. “Improvement of sleep quality in elderly people by controlled-release melatonin.” The Lancet 346.8974 (1995): 541-544. Hickie, Ian B., and Naomi L. Rogers. “Novel melatonin-based therapies: potential advances in the treatment of major depression.” The Lancet 378.9791 (2011): 621-631. Reiter, Russel J., Dun-Xian Tan, and Lorena Fuentes-Broto. “Melatonin: a multitasking molecule.” Progress in brain research 181 (2010): 127-151. Haimov, Iris, et al. “Melatonin replacement therapy of elderly insomniacs.” Sleep 18.7 (1995): 598-603. Tamura, Hiroshi, et al. “Melatonin as a free radical scavenger in the ovarian follicle.” Endocrine journal 60.1 (2013): 1-13. Bruin, V. M. S. de. “Importância da melatonina na regulação do sono e do ritmo circadiano na abordagem clínica.” Departamento de Medicina Clínica – UFC. Monteiro, M. M. L. “Os receptores de melatonina como novos alvos de fármacos antidepressivos.” Porto, 2014. Nakaoka E. S. Y. V.; Pereira A. M. O; Kashiwabara T. G. B. “Qualidade do sono e melatonina – Relato de caso.” Brazilian Journal of surgery and clinical Research”. 2013. Neto, J. A. S.; Castro, B. D. de. “Melatonina, ritmos biológicos e sono - Revisão de literatura.” Revista Brasileira de neurologia, 2008. Vol 44. http://www.minhavida.com.br/alimentacao/tudo-sobre/21338-melatonina