Home / Pricípios ativos / Estriol Micro

Estriol Micro

( Terapia de reposição hormonal )

Cotar Agora

Formas de Administração

Receita Simples (branca, 1 via)

Controlado

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

Creme vaginal (acompanha aplicador vaginal)

Indicação


Estriol é um dos hormônios femininos ou estrogênios que são produzidos pelo seu próprio organismo, principalmente pelos ovários. Eles são necessários para o desenvolvimento sexual normal da mulher e para regular o ciclo menstrual durante a fase reprodutiva da vida da mulher. Quando a mulher fica mais velha, os ovários gradativamente produzem menos estrogênios. O período no qual isso acontece (geralmente por volta dos 50 anos) é chamado de climatério ou menopausa. Se os ovários forem retirados cirurgicamente antes da menopausa, a diminuição da produção de estrogênio ocorre subitamente. Em muitos casos, a diminuição da produção de estrogênios causa os conhecidos sintomas da menopausa, tais como ondas de calor e suores noturnos. A deficiência de estrogênios pode fazer com que a parede da vagina se torne fina e seca. Consequentemente, a relação sexual pode se tornar dolorosa e podem ocorrer prurido e infecções vaginais. A deficiência de estrogênios também pode provocar sintomas como incontinência urinária e cistites repetidas. Essas queixas podem frequentemente melhorar com a utilização de medicamentos contendo estrogênios. A melhora pode demorar vários dias ou mesmo semanas para ser notada. Estriol é indicado para: - Terapia de Reposição Hormonal (TRH) para sintomas de deficiência estrogênica em mulheres pós-menopausadas. Trata os sintomas das queixas da menopausa. - Tratamento pré e pós-operatório em mulheres na pós-menopausa submetidas à cirurgia vaginal. - Auxiliar na avaliação da secreção vaginal em mulheres na pós-menopausa. - Tratamento de determinadas formas de infertilidade.

Posologia


Para aplicação vaginal utilize o aplicador vaginal que acompanha o medicamento. A dose usual para o tratamento das queixas vaginais é de 1 aplicação diariamente durante as primeiras semanas. Em seguida a dose é gradativamente diminuída, por exemplo, para 1 aplicação duas vezes por semana. Para outras condições, podem ser recomendadas doses diferentes. Para mulheres submetidas à cirurgia vaginal: a dose usual é de 1 aplicação diária durante 2 semanas antes da cirurgia, e de 1 aplicação 2 vezes por semana nas 2 semanas seguintes à cirurgia. Como auxiliar para o diagnóstico no caso de um esfregaço cervical atrófico duvidoso: a dose usual é de 1 aplicação em dias alternados, 1 semana antes da coleta do próximo esfregaço. Se você tiver a impressão de que o efeito do estriol é muito fraco ou muito forte, consulte o seu médico. A dose máxima de uma aplicação por dia não deve ser usada por várias semanas.

Restrições de uso


Uso adulto

Interação Medicamentosa


Informe ao seu médico ou farmacêutico sobre qualquer medicamento que esteja usando (ou que pretenda usar), tais como: medicamentos para tratamento de epilepsia (barbitúricos, hidantoínas ou carbamazepina), medicamentos para infecções (tais como griseofulvina, rifamicinas), medicamentos para infecções virais (nevirapina, efavirenz, ritonavir, nelfinavir), preparações fitoterápicas contendo erva-de-são-joão (Hypericum perforatum), algum medicamento contendo corticosteroides, succinilcolina (suxametônio), teofilinas ou troleandomicina Informe ao seu médico se você tem hepatite C e está sob tratamento com o regime de combinação de medicamentos que contém ombitasvir/paritaprevir/ritonavir, com ou sem dasabuvir. Utilizar a combinação desses medicamentos com alguns medicamentos que contêm estrogênios pode causar aumento nos resultados dos testes sanguíneos da função hepática (aumento da enzima hepática ALT). Até o momento, não se sabe se há risco de isso acontecer com estriol.

Contraindicação


Estriol é contraindicado para uso por mulheres que: têm ou tiveram câncer de mama ou se há suspeita de câncer de mama; têm ou se houver suspeita de que tenham um tumor dependente de estrogênio, tal como câncer da camada interna do útero; têm sangramento vaginal anormal, que não foi avaliado por seu médico; têm crescimento anormal da camada interna do útero (hiperplasia do endométrio); têm ou tiveram distúrbio da circulação, tal como coágulos (nas veias das pernas ou do pulmão); têm um distúrbio de coagulação do sangue (distúrbio trombofílico, como deficiência de proteína C, proteína S ou de antitrombina); têm ou tiveram alguma doença causada por coágulos nas artérias, tal como angina do peito, derrame ou infarto do miocárdio; têm ou tiveram doença do fígado na qual os testes de função hepática ainda não voltaram aos valores normais; têm ou tiveram uma reação alérgica ao estriol ou a qualquer outro ingrediente da fórmula; têm porfiria (um distúrbio na produção de pigmento do sangue, hereditário ou adquirido. Estriol é contraindicado para uso por homens. Este medicamento é contraindicado para uso por grávidas. Consulte o seu médico ou peça orientação ao farmacêutico antes de usar qualquer medicamento. Se você está grávida ou suspeita que possa estar grávida, não use estriol. Este medicamento é contraindicado para uso durante a lactação. Informe ao médico se está amamentando. Se você estiver amamentando, não use estriol sem antes consultar o seu médico.

Observações


“ESTRIOL É UM MEDICAMENTO. SEU USO PODE TRAZER RISCOS. PROCURE O MÉDICO E O FARMACÊUTICO. LEIA A BULA” VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. Siga SEMPRE as orientações do seu médico. Evite a auto-medicação. “SE PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO”.

Reações Adversas


Estriol pode causar efeitos colaterais, tais como: inchaço e aumento da sensibilidade das mamas; pequenos sangramentos vaginais; aumento da secreção vaginal; náusea; retenção de líquidos nos tecidos, geralmente caracterizados por inchaço no tornozelo e nos pés; sintomas semelhantes aos da gripe. A aplicação do creme vaginal pode causar irritação local ou coceira. Na maioria das pacientes essas reações desaparecem após as primeiras semanas de tratamento. Informe seu médico sobre o aparecimento de sangramento vaginal, ou se qualquer reação adversa se tornar intensa ou persistente. Outras reações adversas que podem ocorrer com a terapia de reposição hormonal são: tumores benignos ou malignos dependentes de hormônios, tal como câncer de endométrio; infarto do miocárdio e derrame cerebral; doença da vesícula biliar; distúrbios cutâneos ou subcutâneos, tais como pigmentação castanha da pele (cloasma), diversas doenças de pele como bolhas e nódulos ou hemorragias na pele (eritema multiforme, eritema nodoso, púrpura vascular); tromboembolismo venoso (isto é, trombose venosa profunda na perna ou pélvica e embolia pulmonar), ocorre mais frequentemente em usuárias de terapia de reposição hormonal do que em não usuárias.

Bibliografia


OVESTRION. Laboratório Schering-Plough. Bula do medicamento. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/index.asp. Acesso em junho de 2017.