Home / Pricípios ativos / Cloridrato de Vardenafila

Cloridrato de Vardenafila

( Impotência Sexual )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

-

Indicação


"Tratamento da disfunção erétil (incapacidade de alcançar ou manter suficiente ereção do pênis para um desempenho sexual satisfatório). "

Posologia


A dose inicial recomendada é de um comprimido revestido de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa), administrada conforme necessário, cerca de 25 a 60 minutos antes da atividade sexual. A dose pode ser aumentada para um comprimido revestido de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) ou diminuída em 5mg, dependendo da eficácia e da tolerabilidade.

Restrições de uso


Uso Adulto

Interação Medicamentosa


"Nitratos e doadores de óxido nítrico Em um estudo com 18 homens sadios não se observou potencialização do efeito hipotensor de 0,4mg de nitroglicerina sublingual quando se administrou Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em intervalos de tempos variáveis, de 24h até 1h, antes da dose de nitroglicerina. Em indivíduos sadios de meia-idade, o efeito hipotensor de 0,4mg dos nitratos sublinguais, administrados 1 e 4 horas após administração de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido, foi potencializado. Esses efeitos não foram observados com a ingestão de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido 24 horas antes da nitroglicerina. O nicorandil é um híbrido de nitrato e agonistas dos canais de potássio. Devido ao seu teor de nitrato, o produto tem potencial para interação séria com vardenafila. Entretanto, não há informação sobre os possíveis efeitos hipotensores da vardenafila quando administrada a pacientes em associação com nitratos. Logo, seu uso concomitante é contraindicado. Inibidores de CYP A vardenafila é metabolizada principalmente por meio das enzimas hepáticas, via CYP3A4, com uma certa contribuição das isoformas CYP3A5 e CYP2C. Por isso, os inibidores dessas enzimas podem reduzir a depuração da vardenafila. A cimetidina, 400mg duas vezes por dia, um inibidor inespecífico do P450, não teve efeito sobre a AUC nem sobre a Cmáx da vardenafila, quando administrada concomitantemente com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em voluntários sadios. A eritromicina, 500mg três vezes por dia, um inibidor do CYP3A4, provocou um aumento de 4 vezes, 300%, na AUC e de 3 vezes, 200%, na Cmáx da vardenafila quando administrada simultaneamente com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em voluntários sadios. O cetoconazol, 200mg, um potente inibidor do CYP3A4, provocou um aumento de 10 vezes, 900%, na AUC e de 4 vezes, 300%, na Cmáx da vardenafila quando administrado simultaneamente com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em voluntários sadios. A coadministração de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido e de um inibidor da protease do HIV, o indinavir, 800mg três vezes por dia, resultou em aumento de 16 vezes, 1.500%, no valor da AUC e de 7 vezes, 600%, no valor da Cmáx da vardenafila. Após 24 horas da coadministração, os níveis plasmáticos de vardenafila foram de aproximadamente 4% do nível plasmático máximo de vardenafila, Cmáx. O ritonavir, 600mg duas vezes por dia, um inibidor da protease do HIV e inibidor muito potente do CYP3A4, que inibe também o CYP2C9, ocasionou aumento de 49 vezes na AUC0-24 e aumento de 13 vezes na Cmáx da vardenafila quando administrado concomitantemente com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido. O ritonavir prolongou significativamente a meia-vida da vardenafila para 25,7 horas. Alfa-bloqueadores Tendo em vista que a monoterapia com alfa-bloqueadores pode causar expressiva redução da pressão arterial, especialmente hipotensão postural e síncope, foram realizados estudos de interação com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em voluntários normotensos após um curto período de uso de alfa-bloqueadores e em pacientes com hiperplasia prostática benigna (HPB) sob terapia estável com alfa-bloqueadores. Foi constatada hipotensão, em alguns casos sintomática, em um número significativo de indivíduos após coadministração de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em voluntários sadios normotensos, após titulação forçada por 14 dias ou menos, até doses elevadas dos alfa-bloqueadores tansulosina ou terazosina. Quando se administrou Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em doses de 5mg, 10mg ou 20mg sob terapia estável com tansulosina, não ocorreu redução adicional máxima média, clinicamente relevante da pressão arterial. Quando se administrou Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido simultaneamente com 0,4mg de tansulosina, 2 entre 21 pacientes apresentaram pressão arterial sistólica, em posição ereta, < 85 mmHg. Quando Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido 5mg foi administrado 6 horas após a administração de tansulosina, 2 entre 21 pacientes apresentaram pressão arterial sistólica, em posição ereta, < 85 mmHg. Entre os indivíduos tratados com terazosina, observou-se a hipotensão, pressão arterial sistólica < 85 mmHg em posição ereta, com maior frequência quando se administravam vardenafila e terazosina de modo a atingir Cmáx simultaneamente do que quando as administrações eram feitas de modo a separar as Cmáx por 6 horas. Como esses estudos foram realizados em voluntários sadios após titulação forçada do alfa-bloqueador até doses elevadas (os indivíduos não estavam estáveis à terapia com alfa-bloqueadores), podem ter relevância clínica limitada. Realizaram-se três estudos de interação com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido em pacientes com hiperplasia prostática benigna (HPB) sob terapia estável com alfabloqueador, utilizando alfuzosina, tansulosina ou terazosina. Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) ou 10mg comprimido revestido foi administrado 4 horas após a administração da alfuzosina. O intervalo de quatro horas foi escolhido para provocar a interação potencial máxima. Não foi observada redução adicional máxima média clinicamente relevante da pressão arterial durante o intervalo de 10 horas após a administração de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido, 4 horas após a administração da alfuzosina. Dois pacientes, um tratado com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido e outro, com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido, apresentaram diminuição da linha de base na pressão arterial sistólica em posição ereta > 30 mmHg. Não houve casos de pressão arterial sistólica em posição ereta < 85 mmHg neste estudo. Quatro pacientes, um recebendo placebo, dois tratados com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido e um tratado com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido relataram tontura. Baseado nesses resultados, não é necessário um intervalo de tempo quando administrar Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) com alfuzosina. Em um estudo subsequente em pacientes com HPB, não ocorreram casos de pressão arterial sistólica < 85 mmHg em posição ereta na administração de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) e 20mg comprimido revestido simultaneamente com 0,4 ou 0,8mg de tansulosina. Baseado nesses resultados, não é necessário um intervalo de tempo quando administrar Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) com tansulosina. Quando se administrou Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido simultaneamente com 5mg ou 10mg de terazosina, um entre 21 pacientes apresentou hipotensão postural sintomática. Não se observou hipotensão quando Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido foi administrado 6 horas após a administração de terazosina. Isto deve ser levado em conta na decisão sobre o estabelecimento de um intervalo entre as administrações de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) e terazosina. Não houve casos de síncope neste estudo ou nos estudos anteriores com alfuzosina ou terazosina. O tratamento concomitante só deve ser iniciado se o paciente estiver estável em sua terapia com alfa-bloqueador. Nestes pacientes estáveis sob terapia de alfabloqueador, Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) deve ser iniciado com a mínima dose inicial recomendada. Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) pode ser administrado com tansulosina ou alfuzosina a qualquer momento. Com terazosina e outros alfa-bloqueadores deve-se considerar um intervalo de tempo apropriado entre as administrações, no caso de prescrição concomitante de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa). Nos pacientes que já estejam sob tratamento com uma dose otimizada de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido, o tratamento com alfa-bloqueadores deve ser iniciado com a menor dose. Em pacientes tratados com inibidor de PDE5, inclusive vardenafila, o aumento escalonado da dose de alfa-bloqueador poderá associar-se com redução adicional da pressão arterial. Riociguate Modelos animais demonstraram um efeito aditivo na redução da pressão arterial sistêmica quando a sildenafila ou a vardenafila foram combinadas com o riociguate. O aumento da dose de sildenafila ou vardenafila resultou em redução maior do que o proporcional na pressão arterial sistêmica, em alguns casos. Em um estudo exploratório, doses únicas de riociguate administradas a pacientes com hipertensão arterial pulmonar (HAP) tratados com sildenafila demonstraram efeitos hemodinâmicos aditivos. Uma maior taxa de descontinuação, predominantemente devido à hipotensão, foi observada em pacientes com HAP tratados com combinação de sildenafila e riociguate em comparação com os tratados apenas com sildenafila. O uso concomitante de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) com riociguate, um estimulante da GCs, é contraindicado. Outros Quando Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido foi coadministrado a pacientes recebendo 0,375mg de digoxina no estado de equilíbrio, em dias alternados, durante14 dias, não se evidenciou interação farmacocinética. Não houve evidência de que a farmacocinética da vardenafila seja alterada pela coadministração de digoxina. Doses únicas de um antiácido; hidróxido de magnésio/hidróxido de alumínio, não tiveram influência sobre a AUC ou a Cmáx da vardenafila. A biodisponibilidade de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido não foi afetada pela coadministração de 150mg, duas vezes por dia, do antagonista H2, ranitidina. Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) e 20mg comprimido revestido não influenciou o tempo de sangramento quando administrado isoladamente ou em associação com doses baixas de ácido acetilsalicílico (2 x 81mg comprimido). Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido não potencializou o efeito hipotensor do álcool, 0,5g/kg de peso corporal. A farmacocinética da vardenafila não foi alterada. Os dados de investigações farmacocinéticas populacionais de fase III não revelaram efeitos significativos de ácido acetilsalicílico, inibidores da enzima conversora da angiotensina (ECA), beta-bloqueadores, inibidores fracos do CYP3A4, diuréticos e medicamentos para o tratamento do diabetes, tais como, sulfonilureias e metformina, sobre a farmacocinética da vardenafila. Quando Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido foi coadministrado com 3,5mg de glibenclamida, a biodisponibilidade relativa da glibenclamida não foi afetada. Não se evidenciou alteração na farmacocinética da vardenafila pela coadministração de glibenclamida. Nenhuma interação farmacológica, por exemplo, tempo de protrombina e fatores de coagulação II, VII e X, foi demonstrada quando 25mg de varfarina foi coadministrada com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido. A farmacocinética da vardenafila não foi afetada pela coadministração de varfarina. Nenhuma interação farmacodinâmica ou farmacocinética relevante foi demonstrada quando Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido foi coadministrado com 30mg ou 60mg de nifedipino. Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) comprimido revestido produziu reduções adicionais médias da pressão sanguínea de 5,9 mmHg e 5,2 mmHg para pressão arterial sistólica e diastólica em supino, respectivamente, comparado com placebo.

Contraindicação


"Este medicamento é contraindicado para pacientes com hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula (princípio ativo ou excipientes). Os inibidores da PDE5 podem potencializar os efeitos hipotensores dos nitratos, o que é compatível com os efeitos da inibição da PDE na via óxido nítrico/GMPc. Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) é contraindicado para pacientes em tratamento concomitante com nitratos ou doadores de óxido nítrico. O uso concomitante de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) com riociguate, um estimulador da guanilato ciclase (GCs) é contraindicado. É contraindicado o uso concomitante de Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) e inibidores de protease do HIV, como indinavir ou ritonavir, uma vez que estes são potentes inibidores do citocromo CYP3A4.

Reações Adversas


"Todos os estudos clínicos As frequências das reações adversas relatadas com Cloridrato de Vardenafila (substância ativa) estão resumidas na tabela abaixo. Dentro de cada grupo de frequência, as reações adversas estão apresentadas por ordem decrescente de gravidade. As frequências são definidas como: Muito comum (≥ 1/10); Ccomum (≥ 1/100 a < 1/10); Incomum (≥ 1/1.000 a < 1/100); Rrara (≥ 1/10.000 a < 1/1.000); Muito rara (< 1/10.000). As reações adversas identificadas somente durante o acompanhamento pós-comercialização e para as quais a frequência não pode ser estimada, são listadas como “desconhecida”. Todos os ensaios clínicos As seguintes reações adversas foram relatadas em pacientes tratados com Cloridrato de Vardenafila comprimido revestido ou Cloridrato de Vardenafila comprimido orodispersível em todos os estudos clínicos: Pós-comercialização Há relatos de infarto do miocárdio (IM) em associação temporal com o uso de vardenafila e a atividade sexual, mas não é possível determinar se o IM está diretamente relacionado à vardenafila, à atividade sexual, à doença cardiovascular subjacente do paciente ou à associação destes fatores. Relataram-se raros casos pós-comercialização de neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica (NAION), uma causa de diminuição da visão incluindo perda permanente da visão, de relação temporal com o uso de inibidores da fosfodiesterase do tipo 5, inclusive de Cloridrato de Vardenafila. A maioria desses pacientes, mas não todos, apresentava fatores de risco subjacentes anatômicos ou vasculares para o desenvolvimento de NAION, incluindo baixa relação ‘cup/disc’ (‘crowded disc’), idade acima de 50 anos, diabetes, hipertensão, doença arterial coronariana, hiperlipidemia e tabagismo. Não é possível determinar se esses eventos estão diretamente relacionados ao uso de inibidores da PDE5, a pacientes com fatores de risco vasculares ou alterações anatômicas subjacentes ou a uma associação desses fatores, ou ainda a outros fatores. Há raros relatos pós-comercialização de distúrbios visuais incluindo perda da visão (temporária ou permanente) com relação temporal com o uso de inibidores da fosfodiesterase do tipo 5, inclusive de Cloridrato de Vardenafila. Não é possível determinar se esses eventos estão diretamente relacionados ao uso de inibidores da PDE5, a pacientes com fatores de risco vasculares subjacentes ou a outros fatores. Surdez repentina ou perda de audição foram reportadas em um pequeno número de casos de estudos clínicos e de estudos de pós-comercialização com o uso de todos os inibidores de PDE5, inclusive Cloridrato de Vardenafila. Não é possível determinar se esses eventos reportados estão diretamente relacionados ao uso de Cloridrato de Vardenafila, a fatores de risco subjacentes para perda da audição, a uma combinação destes fatores ou a outros fatores. Atenção: este produto é um medicamento que possui nova forma farmacêutica no país e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. 

Bibliografia


Anvisa