Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Clorambucila

Clorambucila

( Antineoplásico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Sim

Tipo de Receita

Receita de Controle Especial (branca, 2 vias)

Manipulado

cápsulas

Em adultos, é indicado para o tratamento das seguintes condições: Doença de Hodgkin; certas formas de Linfoma não-Hodgkin; Leucemia linfocítica crônica; Macroglobulinemia de Waldenström. Em crianças, é indicado para o tratamento de Doença de Hodgkin e certas formas de Linfoma não-Hodgkin.

Como usar?

de 0,1 a 0,2 mg/kg/dia

Restrições de uso

Uso Adulto e Pediátrico

Não é recomendada a vacinação com alguns tipos de vacina em indivíduos imunodeficientes. Caso tenha sido recentemente vacinado ou esteja planejando se vacinar, converse com o seu médico. Avise seu médico se você estiver utilizando fenilbutazona.

Contraindicação

É contraindicado para pacientes com alergia conhecida a clorambucila. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em caso de suspeita de gravidez.

Observações

-

Efeitos Colaterais

Reações muito comuns (ocorrem em 10 % dos pacientes que utilizam este medicamento): leucopenia (diminuição no número de leucócitos - células de defesa do sangue); neutropenia (diminuição no número de neutrófilos - tipo de célula de defesa do sangue); trombocitopenia (diminuição no número de plaquetas - elementos responsáveis pela coagulação do sangue); pancitopenia (diminuição global dos elementos do sangue: glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas); supressão da medula óssea (a medula deixa de produzir as células sanguíneas: glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10 % dos pacientes que utilizam este medicamento): formas secundárias de câncer no sangue (especialmente leucemia e síndrome mielodisplásica), principalmente após tratamentos prolongados; anemia (diminuição do número de glóbulos vermelhos no sangue); convulsões em crianças com síndrome nefrótica (problemas nos rins); perturbações gastrintestinais como enjoos, vômitos, diarreia e aftas. Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1 % dos pacientes que utilizam este medicamento): rash cutâneo (reações alérgicas na pele, com presença de manchas avermelhadas). Reações raras (ocorrem entre 0,01% e 0,1 % dos pacientes que utilizam este medicamento): reações alérgicas como urticária e edema angioneurótico; síndrome de Stevens-Jonhson e necrólise epidérmica tóxica (erupções graves na pele, com formação de bolhas e descamação); convulsões; hepatotoxicidade (toxicidade no fígado); icterícia (doença causada pelo excesso de bilirrubina no sangue, e que caracteriza-se pela coloração amarelada da pele); febre medicamentosa. Reações muito raras (ocorrem em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): falência irreversível da medula óssea; transtornos do movimento (incluindo tremor, contorções e abalos musculares não associados a convulsões); cistite não-infecciosa (inflamação da bexiga); doenças nos rins; problemas no pulmão, como pneumonia e fibrose (espessamento do tecido pulmonar).

Bibliografia

1. https://prescritamedicamentos.com.br/arquivos_institucional/LEUKERAN.pdf