Home / Pricípios ativos / Cinarizina

Cinarizina

( Medicamento )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

Indicação


Distúrbios circulatórios cerebrais: - Prevenção e tratamento dos sintomas de espasmo vascular cerebral e arteriosclerose como tontura, zumbido no ouvido, cefaleia vascular, falta de sociabilidade e irritabilidade, fadiga (cansaço), distúrbios do sono como despertar precoce, depressão de involução, perda de memória, falta de concentração, incontinência e outros distúrbios devidos à idade. - Sequelas de traumas cranioencefálicos. - Sequelas funcionais pós-apopléticas. - Enxaqueca (dor de cabeça). Distúrbios circulatórios periféricos: - Prevenção e tratamento dos sintomas que acompanham os distúrbios circulatórios periféricos (arteriosclerose, tromboangeite obliterante, moléstia de Raynaud, diabete, acrocianose, etc), tais como: claudicação intermitente, distúrbios tróficos, pré-gangrena, úlceras varicosas, parestesia, câimbra noturna, extremidades frias. Distúrbios do equilíbrio: - Prevenção e tratamento dos sintomas dos distúrbios do equilíbrio (arteriosclerose labiríntica, irritabilidade do labirinto, Síndrome de Menière), tais como vertigem, tontura, zumbido, nistagmo, náuseas e vômitos. - Prevenção dos distúrbios de movimento.

Posologia


Conforme orientação médica

Restrições de uso


Uso Adulto

Interação Medicamentosa


Medicamentos para depressão e medicamentos que possam prejudicar suas reações (remédios para dormir, tranquilizantes e analgésicos fortes) podem ter efeito calmante aumentado quando ingeridos com o medicamento.

Contraindicação


Contraindicado em caso de hipersensibilidade à fórmula, gravidas e lactantes.

Observações


-

Reações Adversas


As seguintes reações adversas foram relatadas por ≥1% dos indivíduos tratados com cinarizina em 3 estudos clínicos em pacientes com doenças circulatórias periféricas, 1 com doenças circulatórias cerebrais, 2 com vertigem e 1 com enjoo: sonolência (8,3%). As seguintes reações adversas foram relatadas por ≥1% dos indivíduos tratados com cinarizina em outros estudos clínicos para doenças circulatórias periféricas, doenças circulatórias cerebrais e vertigem: náuseas (1,5%); aumento de peso (2,1%). As seguintes reações adversas foram relatadas por ≥1% dos indivíduos tratados com cinarizina em estudos clínicos: náuseas (1,5%); aumento de peso (2,1%). As seguintes reações adversas foram relatadas por <1% dos indivíduos tratados com cinarizina em 2 estudos clínicos: hipersonia; letargia; desconforto estomacal; vômito; dor abdominal superior; dispepsia; hiperidrose; fadiga. As reações adversas identificadas durante a experiência de pós-comercialização com medicamentos contendo cinarizina estão listadas a seguir: Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento): Distúrbios do Sistema Nervoso: discinesia, síndrome extrapiramidal, parkinsonismo, tremor. Distúrbios de Pele e Tecido Subcutâneo: ceratose liquenoide, líquen plano, lúpus eritematoso cutâneo subagudo. Distúrbios Musculoesqueléticas, de Tecido Conectivo e Ossos: rigidez muscular.

Bibliografia


1. http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=15291982016&pIdAnexo=3295600 2. http://www.pharmac.com.br/novo/images/documentos/alopaticos.pdf