Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Ciclobenzaprina

Ciclobenzaprina

( Antiespamódico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

Este medicamento é destinado ao tratamento de espasmos musculares associados com condições musculoesqueléticas agudas e dolorosas, como as lombalgias, torcicolos, periartrite escapuloumeral, cervicobraquialgias e no tratamento da fibromialgia. Além disso, é indicado como coadjuvante de outras medidas para o alívio dos sintomas, tais como fisioterapia e repouso.

Como usar?

Conforme orientação médica.

Restrições de uso

Uso Adulto

A ciclobenzaprina pode potencializar os efeitos do álcool, dos barbituratos e dos outros depressores do SNC. Para a prescrição de IMAO, é necessário um intervalo mínimo de 14 dias entre a administração dos mesmos e do cloridrato de ciclobenzaprina, para evitar reações adversas. Recomenda-se cautela em casos de administração concomitante de cloridrato de ciclobenzaprina e inibidores da recaptação de serotonina, antidepressivos tricíclicos, buspirona, meperidina, tramadol, bupropiona e verapamil, pelo potencial de ocorrência de Síndrome serotoninérgica. Medicamentos antidiscinéticos e anticolinérgicos podem ter sua ação aumentada pelo cloridrato de ciclobenzaprina, levando a problemas gastrintestinais e a íleo paralítico.

Contraindicação

O cloridrato de ciclobenzaprina é contraindicado nos pacientes: - com hipersensibilidade o cloridrato de ciclobenzaprina ou a qualquer outro componente da fórmula do produto, - com glaucoma ou retenção urinária, - em fase aguda pós-infarto do miocárdio, - que fazem uso de inibidores da monoaminoxidase (IMAO) ou que suspenderam seu uso há menos de 14 dias, - com arritmias cardíacas, bloqueios ou distúrbios de condução ou insuficiência cardíaca congestiva, - com hipertireoidismo.

Observações

-

Efeitos Colaterais

Reações muito comuns (> 10 %): sonolência, tontura e xerostomia. Reações comuns (> 1% e < 10%): Sistema nervoso central: fadiga, cefaleia, confusão mental, diminuição da acuidade mental, irritabilidade e nervosismo. Gastrointestinais: dispepsia, dor abdominal, refluxo gastroesofágico, constipação, diarreia, náuseas e sabor desagradável na boca. Esquelético e neuromusculares: astenia Oftalmológicos: visão embaçada. Respiratórios: faringite e infecções das vias aéreas superiores. Reações incomuns (> 0,1% e < 1 %): mal estar, vômitos, anafilaxia, angioedema, edema de língua, vasodilatação, arritmias cardíacas, alterações das funções hepáticas, hepatite, icterícia, colestase, hipertonia, hipotensão, parestesias, psicose, convulsões, Síndrome serotoninérgica, edema facial, rash, erupções cutâneas, urticária, prurido, taquicardia, síncope, anorexia, gastrite, flatulência, rigidez muscular, ataxia, disartria, tremores, alucinações, agitação, ansiedade, sudorese, depressão, insônia, diplopia, ageusia, tinitus e frequência urinária aumentada e/ou retenção urinária. A similaridade farmacológica do cloridrato de ciclobenzaprina com os antidepressivos tricíclicos faz com que certos sintomas de retirada devam ser considerados quando da interrupção do tratamento. A interrupção abrupta após tratamento prolongado pode raramente causar náuseas, cefaleia e mal-estar.

Bibliografia

1. http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=19126272016&pIdAnexo=3592907