Home / Pricípios ativos / Castanha da Índia

Castanha da Índia

( Vasodilatadores e Vasoprotetor )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

Indicação


A Castanha da Índia é indicada como antivaricoso de ação sistêmica, (empregada no tratamento de varizes, microvarizes) anti-hemorroidário, anti-inflamatório e edema de estase venosa. Tratamento de insuficiência venosa crônicas, varizes, cansaço das pernas, edemas de diversas origens e como coadjuvante no tratamento da celulite. Também tem sido utilizada no caso de equimoses, diáteses hemorrágicas, síndrome de Raynaud, metrorragias e fragilidade capilar.

Posologia


Uso interno: 250 a 300 mg de extrato seco padronizado contendo 20% de aescina, uma ou duas vezes ao dia. (50 a 120 mg de aescina por dia).

Restrições de uso


Uso Adulto e Pediátrico acima de 10 anos

Interação Medicamentosa


Teoricamente, em razão de seus constituintes, a semente de Castanha da Índia aumenta o risco de sangramentos quando utilizada com ácido acetilsalicílico, varfarina, heparina, clopidogrel e anti-inflamatórios como ibuprofeno ou naproxeno. A escina, o principal componente saponínico da Castanha da Índia, se liga às proteínas plasmáticas podendo afetar a ligação de outras drogas

Contraindicação


Pacientes com deficiência renal, hepática ou com lesões da mucosa digestiva devem evitar o uso. A segurança durante a gestação e a amamentação não foi comprovada. Não deve ser administrado durante a gravidez e a lactação sem a supervisão médica. Contra indicado para crianças com idade inferior a dez anos. É contra indicado em casos de alergia às plantas pertencentes à família hippocastanaceae. Não usar administração oral prolongada (períodos superior a seis meses).

Observações


-

Reações Adversas


Espasmo muscular, náusea moderada, vômito e urticária. Ocasionalmente pode provocar gastrite quando administrada na forma de infusão ou extrato fluído. As sementes ingeridas com cascas podem causar cefaléias, falta de coordenação motora, vômitos, enterocolites, midríase, paralisia facial e sonolência. Em todos os casos deve-se proceder à lavagem gástrica provocando vômitos, dentre outras medidas. Sangramento grave e equimoses devido à atividade antitrombótica da aesculina; choque e hepatotoxicidade. Em altas doses pode irritar o trato gastrointestinal por causa das saponinas presentes.

Bibliografia


1. https://infinitypharma.com.br/uploads/insumos/pdf/c/castanha-da-india.pdf