Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Amora Extrato Seco / Morus nigra

Amora Extrato Seco / Morus nigra

( Anti-inflamatório e Fitoterápico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

-

Manipulado

-

A Morus nigra L., Moraceae, é uma espécie vegetal que tem sua origem na Ásia, e está plenamente aclimatizada no Brasil (Cruz, 1979). Essa planta é popularmente conhecida como amoreira-preta. Diversas partes como raiz, folha, casca e frutos são empregadas na medicina popular, sendo cada uma indicada para diferentes propósitos. Enquanto as folhas são utilizadas como terapia de reposição hormonal, o fruto possui atividade antioxidante, hipoglicemiante, antiinflamatória e antimicrobiana (Nakamura et al., 2003). Conforme estudo de Naderi e colaboradores (2004), o fruto possui ação protetora contra danos de biomembranas e biomoléculas.

Como usar?

Recomenda-se o uso de 1 à 3g ao dia.

Restrições de uso

-

-

Contraindicação

-

Observações

Conte com uma boa farmácia de manipulação para desenvolver o seu produto e aproveitar todas as vantagens que ele oferece.

Efeitos Colaterais

-

Bibliografia

1. Cruz GL 1979. Dicionário de plantas úteis no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 599. 2. Nakamura Y, Watanabe S, Miyake N, Kohno H, Osawa T 2003. Dihydrochalcones: evaluation as novel radical scavenging antioxidants. J Agr Food Chem 51: 3309-3312. 3. Miranda, M.A.; Vieira, D.G.; Alves, M.S.; Yamamoto, C.H.; Pinho, J.J.R.G; Sousa, O.V. Uso etnomedicinal do chá de Morus nigra L. No tratamento dos sintomas do climatério de mulheres de Muriaé, Minas Gerais, Brasil. HU Revista, Juiz de Fora, v. 36, n. 1, p. 61-68, jan./mar. 2010. 4. NADERI, G.A. et al. Antioxidant activity of three extracts of Morus nigra. Phytotherapy Research, v.18, n.5, p.365-9, 2004. 5. OZGEN, M.; SERÇE, S.; KAYA, C. Phytochemical and antioxidant properties of anthocyanin-rich Morus nigra andmorus rubra fruits. Scientia Horticulturae, v.119, p.275-279, 2009. 6. Kumar and Chauhan. Journal of Medicinal Plants Research Vol. 2(10), pp. 271-278, October, 2008. 7. Ercisli S, Orhan E. Chemical composition of white (Morus alba), red (Morus rubra) and black (M. Nigra) mulberry fruits. Food Chem. 2007;103(4):1380–1384. 8. ANGELO, P. M.; JORGE, N. Compostos fenólicos em alimentos – Uma breve revisão. Rev. Inst. Adolfo Lutz, v. 66, n. 1, p. 232-240, 2007. 9. BERNAL, J.; MENDIOLA, J. A; IBÁÑEZ, E.; CIFUENTES, A. Advanced analysis of nutraceuticals. J. Pharm. Biomed. Anal., v. 55, n. 4, p. 758-74, 2011.BALOGH, E.; HEGEDŰS, A.; STEFANOVITS-BÁNYAI, É. Application of and correlation among antioxidant and antiradical assays for characterizing antioxidant capacity of berries. Sci. Hortic., v. 125, n. 3, p. 332-336, 2010. 10. KÄHKÖNEN, M. P.; HEINONEN, M. Antioxidant activity of anthocyanins and their aglycons. J. Agric. Food Chem., v. 51, n. 3, p. 628-33, 2003.