Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Amiodarona HCL

Amiodarona HCL

( Antiarrítimico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

-

Manipulado

-

A Amiodarona é um antiarrítmico que se emprega no controle de arritmias ventriculares e supraventriculares (profilaxia e tratamento), taquicardia ou fibrilação ventricular. É bastante eficiente nos tratamentos antiarrítmicos profiláticos dos pacientes com arritmias ventriculares complexas persistentes e assintomáticas após infarto do miocárdio, reduzindo a mortalidade e os eventos arrítmicos. Nos pacientes com miocardiopatia dilatada, a Amiodarona diminui a incidência de taquicardia ventricular, entre outras indicações benéficas.

Como usar?

A Amiodarona se administra como cloridrato, em doses iniciais de 200mg, 3 vezes ao dia, durante uma semana. Depois é recomendado uma dosagem de 200mg, 2 vezes ao dia, por mais uma semana. Seguinte a esse passo, recomenda-se uma dose de manutenção de 200mg ao dia, ou menos, dependendo da resposta do paciente. Há relatos de usos de doses de até 800mg ao dia.

Restrições de uso

-

Deve-se utilizar com precaução a Amiodarona concomitantemente com fármacos que causem bradicardia, como os beta-bloqueadores ou os antagonistas de cálcio e outros fármacos antiarrítmicos.

Contraindicação

A Amiodarona não deve ser usada em casos de pacientes com episódios de bradicardia que deem origem a síncope, a menos que esteja controlado por marca-passo. Precauções: O paciente deve ser orientado a usar protetor solar, pois a Amiodarona pode causar hiperpigmentação por fotossensibilidade. A função tireoidiana deve monitorada por seu teor elevado de iodo.

Observações

Conte com uma boa farmácia de manipulação para desenvolver o seu produto. Assim, você vai aproveitar melhor os resultados.

Efeitos Colaterais

A maioria dos efeitos adversos ocorridos com o uso da Amiodarona está relacionado à dose, e são reversíveis com sua redução. Eles incluem bradicardia, hipotensão e taquiarritmias. É conhecido que a Amiodarona reduz a transformação periférica de levotiroxina (T4) a Triiodotironina (T3 - Liotironina) e aumenta a formação de T3 inversa. Pode afetar a função da tireoide e pode induzir o hipo ou hipertioreoidismo.

Bibliografia

1. BATISTUZZO, J.A; ITAYA, M; ETO, Y. Formulário Médico-Farmacêutico. São Paulo/SP:Tecnopress, 3a Ed. 2006. 2. SWEETMAN, S.C; et al; MARTINDALE – Guia Completo de Consulta farmacoterapeutica. Barcelona. 2a Ed. 2005. 3. P.R. Vade-Mécum. 10aed. São Paulo: Soriak, 2004/2005.