Cotar Agora
Home / Pricípios ativos / Amiodarona

Amiodarona

( Antiarrítimico )

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado?

Não

Tipo de Receita

Receita Simples (branca, 1 via)

Manipulado

cápsulas

Cloridrato de amiodarona é indicado para os seguintes casos: - distúrbios graves do ritmo cardíaco, inclusive aqueles resistentes a outras terapêuticas; - taquicardia ventricular sintomática (aumento da frequência cardíaca que se origina nos ventrículos do coração); - taquicardia supraventricular sintomática (aumento da frequência cardíaca que se origina nos átrios do coração); - alterações do ritmo cardíaco associadas à síndrome de Wolff-Parkinson-White (uma forma de arritmia, que é uma alteração na frequência ou no ritmo dos batimentos cardíacos). Devido às propriedades farmacológicas da amiodarona, este medicamento é particularmente indicado quando os distúrbios do ritmo forem capazes de agravar uma patologia clínica subjacente [insuficiência coronariana (dor no peito é o sintoma mais comum), insuficiência cardíaca].

Como usar?

-

Restrições de uso

Uso Adulto

• Medicamentos que induzem torsade de pointes ou prolongamento QT - Medicamentos que induzem “torsade de pointes” As associações com medicamentos que podem induzir torsade de pointes são contraindicadas. • Medicamentos antiarrítmicos tais como: da Classe Ia, sotalol, bepridil; • Medicamentos não antiarrítmicos tais como: vincamina, alguns agentes neurolépticos, cisaprida, eritromicina IV, pentamidina (quando administradas por via parenteral), uma vez que existe um aumento no risco de ocorrer torsade de pointes potencialmente letal. - Medicamentos que causam prolongamento QT A administração concomitante de amiodarona com medicamentos conhecidos por prolongar o intervalo QT deve estar baseada em uma avaliação cuidadosa dos riscos e benefícios potenciais para cada paciente, pois o risco de “torsade de pointes” pode aumentar e os pacientes devem ser monitorados quanto ao prolongamento do intervalo QT. Fluoroquinolonas devem ser evitadas por pacientes recebendo amiodarona. • Medicamentos que reduzem a frequência cardíaca ou que causam distúrbios de automatismo ou condução As associações com estes medicamentos não são recomendadas. - Betabloqueadores e bloqueadores do canal de cálcio que reduzem a frequência cardíaca (verapamil, diltiazem), uma vez que podem ocorrer distúrbios de automatismo (bradicardia excessiva) e de condução; • Medicamentos que podem induzir hipocalemia: As associações com os seguintes medicamentos não são recomendadas. - Laxativos estimulantes podem levar a hipocalemia e consequentemente, aumento do risco de torsade de pointes. Por isso, devem ser utilizados outros tipos de laxantes; Deve-se ter cautela quando os seguintes medicamentos são utilizados em associação com Amioron: - Alguns diuréticos indutores de hipocalemia, isolados ou combinados; - Corticosteroides sistêmicos (gluco-, mineralo-), tetracosactida; - Anfotericina B (IV); Deve-se prevenir o início de hipocalemia (e corrigir a hipocalemia); o intervalo QT deve ser monitorado e, em caso de torsade de pointes, não administrar antiarrítmicos (instituir marcapasso ventricular; pode ser administrado magnésio IV). • Anestesia geral: Foram relatadas complicações potencialmente severas em pacientes submetidos à anestesia geral: bradicardia (irresponsiva à atropina), hipotensão, distúrbios da condução, redução do débito cardíaco. Foram observados casos muito raros de complicações respiratórias severas (síndrome de angústia respiratória aguda do adulto), às vezes fatais, geralmente no período pós-cirúrgico imediato. Isto pode estar relacionado com uma possível interação com altas concentrações de oxigênio.

Contraindicação

- bradicardia sinusal (diminuição da frequência cardíaca), bloqueio sinoatrial (bloqueio na propagação dos impulsos elétricos nesta parte do coração) e doença do nó sinusal (estrutura do coração responsável pela função de marcar o passo natural), devido ao risco de parada sinusal, distúrbios severos de condução atrioventricular (na condução dos impulsos elétricos nesta parte do coração), a menos que você esteja com um marcapasso implantado; - associação com medicamentos que possam induzir torsade de pointes (alteração grave nos batimentos cardíacos) (vide Interações Medicamentosas); - disfunção da tireoide; - alergia ao iodo, à amiodarona ou a quaisquer componentes da fórmula; - gravidez, exceto em circunstâncias excepcionais; - amamentação.

Observações

-

Efeitos Colaterais

As seguintes definições de frequência são usadas: muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes), comum (ocorre entre 1 e 10% dos pacientes), incomum (ocorre entre 0,1 e 1% dos pacientes), rara (ocorre entre 0,01 e 0,1% dos pacientes) e muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes) e desconhecida (não pode ser estimada pelos dados disponíveis). Distúrbios sanguíneos e do sistema linfático - Reações muito raras: anemia hemolítica (anemia devido à a quebra anormal de hemácias nos vasos sanguíneos), anemia aplástica (diminuição da produção de glóbulos vermelhos do sangue) e trombocitopenia (diminuição do número de plaquetas). - Frequência desconhecida: neutropenia (diminuição do número de neutrófilos no sangue) e agranulocitose (diminuição acentuada na contagem de células brancas do sangue). Distúrbios do coração - Reações comuns: bradicardia (diminuição do número de batimentos cardíacos) geralmente moderada e dose dependente; - Reações incomuns: aparecimento ou piora da arritmia (distúrbios do ritmo cardíaco), seguida, às vezes, por parada cardíaca; alterações da condução (bloqueio sinoatrial e atrioventricular de vários graus); - Reações muito raras: bradicardia acentuada ou parada sinusal em pacientes com disfunção do nódulo sinusal e/ou em pacientes idosos; - Reações com frequência desconhecida: torsade de pointes (tipo de alteração grave nos batimentos cardíacos) (vide O que devo saber antes de usar este medicamento?). Distúrbios endócrinos (glandulares) - Reações comuns: hipotireoidismo (diminuição da função da glândula tireoide); hipertireoidismo (aumento da função da glândula tireoide), algumas vezes fatal. - Reações muito raras: síndrome de secreção inapropriada do hormônio antidiurético (SIADH) Distúrbios oculares - Reações muito comuns: microdepósitos na córnea (parte transparente do olho que está na frente da íris, que é a “cor do olho”), geralmente limitados à área subpupilar. Eles podem ser associados com a percepção de halos coloridos, sob luz intensa ou de visão turva. Os microdepósitos na córnea consistem em depósitos de complexos lipídicos e são reversíveis algum tempo após a suspensão do tratamento. - Reações muito raras: neuropatia ótica/ neurite (doença do sistema nervoso/lesão inflamatória ou degenerativa dos nervos), que pode progredir para a cegueira (vide Advertências). Distúrbios gastrintestinais (do aparelho digestivo) - Reações muito comuns: Distúrbios gastrintestinais benignos (náuseas, vômitos, paladar fétido para alimentos saudáveis) podem ocorrer em decorrência da dose de ataque e desaparecem com a redução da dose. - Frequência desconhecida: pacreatite (inflamação do pâncreas)/pancreatite aguda , boca seca e constipação (prisão de ventre). Distúrbios gerais - Reação de frequência desconhecida: Granuloma (pequeno nódulo inflamatório), incluindo granuloma de medula óssea. Distúrbios hepato-biliares (do fígado e da bile) - Reações muito comuns: aumento isolado das transaminases séricas (enzimas do fígado), que são normalmente moderadas (1,5 a 3 vezes o valor normal) no início da terapia. Os níveis podem retornar ao normal com redução da dose ou mesmo espontaneamente; - Reações comuns: distúrbios hepáticos agudos com aumento das transaminases séricas e/ou icterícia (coloração amarelada da pele), incluindo insuficiência hepática, que às vezes pode ser fatal; - Reações muito raras: doença hepática crônica (pseudo hepatite alcoólica, cirrose), às vezes fatal. Distúrbios do sistema imunológico - Frequência desconhecida: edema angioneurótico - Edema de Quincke (inchaço não-infamatório da pele, mucosas, vísceras e cérebro, de início súbito e com duração de horas a dias, acompanhado de outros sintomas como por exemplo, febre). reações anafiláticas/anafilactoides (reação alérgica grave e imediata), incluindo choque. Investigação - Reação muito rara: aumento do nível sérico de creatinina. Distúrbios do metabolism e nutrição - Frequência desconhecida: diminuição do apetite. Distúrbios do sistema nervoso - Reações comuns: tremor extra-piramidal, pesadelos e distúrbios do sono; - Reações incomuns: neuropatia periférica sensorimotor (distúrbio dos nervos periféricos) e/ou miopatia são geralmente reversíveis com a descontinuação do tratamento; - Reações muito raras: ataxia cerebelar (falta de controle sobre os músculos), hipertensão intracraniana benigna (caracterizada por dor de cabeça , náusea, alteração dos campos visuais, obscurações visuais transitórias e zumbido pulsátil), cefaleia (dor de cabeça). - Frequência desconhecida: parkinsonismo, parosmia (distúrbio do olfato). Distúrbios psiquiátricos - Frequência desconhecida: delírio/estado confusional, alucinação. Distúrbios do sistema reprodutivo - Reações muito raras: epididimites (inflamação do epidídimo, uma estrutura do testículo), impotência. - Frequência desconhecida: diminuição da libido. Distúrbios respiratórios, torácicos e no mediastino - Reações comuns: toxicidade pulmonar (pneumonite alveolar/ intersticial ou fibrose, pleurite, bronquiolite obliterante com pneumonia em organização) às vezes fatal; - Frequência desconhecida: hemorragia pulmonar. - Reações muito raras: broncoespasmo (inflamação dos brônquios) em pacientes com insuficiência respiratória severa, especialmente em pacientes asmáticos. Síndrome de angústia respiratória do adulto (tipo de insuficiência pulmonar), algumas vezes fatal, geralmente no período pós cirúrgico imediato (vide Advertência e Interações Medicamentosas) Distúrbios da pele e tecidos subcutâneos - Reação muito comum: fotossensibilidade (sensibilidade à luz); - Reações comuns: pigmentação grisácea (coloração acinzentada) ou azulada da pele no caso de utilização prolongada ou de altas doses diárias. Com a interrupção do tratamento essa pigmentação desaparece lentamente; - Reações muito raras: eritema durante o uso de radioterapia, “rash” cutâneos, normalmente inespecíficos, dermatite esfoliativa, alopecia (queda de cabelo). - Frequência desconhecida: eczema (inflamação da pele na qual ela fica vermelha, escamosa e algumas vezes com rachaduras ou pequenas bolhas), urticária (erupção na pele, geralmente de origem alérgica, que causa coceira), reações de pele severas às vezes fatal incluindo necrólise epidérmica tóxica/síndrome de Stevens-Johnson,dermatite bolhosa e reação medicamentosa com eosinofilia e sintomas sistêmicos. Distúrbios vasculares Reação muito rara: vasculite (inflamação do vaso sanguíneo).

Bibliografia

1. http://www.minhavida.com.br/saude/bulas/538-cloridrato-de-amiodarona-comprimido 2. http://www.anvisa.gov.br/datavisa/fila_bula/frmVisualizarBula.asp?pNuTransacao=7598772015&pIdAnexo=2823749