Home / Pricípios ativos / Ácido D-Aspártico

Ácido D-Aspártico

( Hormônios , Suplementos e Terapia de reposição hormonal )

Cotar Agora

Formas de Administração

Uso Oral

Controlado

Não

Tipo de Receita

-

Manipulado

-

Indicação


O ácido D-Aspártico (D-Asp) é um aminoácido endógeno, que é encontrado nos tecidos neuroendócrinos dos animais invertebrados e vertebrados, descoberto em 1827 na asparagina, uma substância existente nos aspargos. O Ácido D-Aspártico tem sido encontrado como componente importante em diversos tecidos endócrinos dos seres humanos e de outros animais. Dessa forma, o seu uso é capaz de influenciar o funcionamento do sistema endócrino, influenciando assim a produção de determinados hormônios, como a testosterona e o GH (hormônio de crescimento). Por estimular a produção de hormônios, o Ácido D-Aspártico pode ser apropriado para o consumo entre atletas e fisiculturistas em geral.

Posologia


Sugere-se que o tratamento seja iniciado com a menor dose possível. A dosagem usual varia para homens, entre 0,4g a 3g, e para mulheres, de 0,5g a 1g.

Restrições de uso


-

Interação Medicamentosa


-

Contraindicação


O uso do Ácido D-Aspártico é contraindicado para crianças e adolescentes, uma vez que seus efeitos sobre o desenvolvimento do corpo nessas fases da vida é desconhecido. A suplementação também não deve ser utilizada por pessoas que sofrem de esquizofrenia, epilepsia, mal de Alzheimer ou esclerose lateral amiotrófica, uma vez que essas doenças podem ser agravas pelo papel excitatório do Ácido D-Aspártico como neurotransmissor. O mesmo se aplica a pacientes que passaram por um AVC.

Observações


Antes de iniciar o tratamento com o Ácido D-Aspártico, recomenda-se consultar um endocrinologista para determinar a dose adequada e realizar o acompanhamento do uso.

Reações Adversas


-

Bibliografia


1. D’Aniello A. D-Aspartic Acid: An endogenous amino acid with an important neuroendocrine role. Brain Res Rev. 2007; 53:215-234. 2. D’Aniello A, Giuditta A. Identification of D-aspartic acid in the brain of Octopus vulgaris. J Neurochem. 1977; 29:1053-1057. 3. Neidle A, Dunlop DS. Developmental changes of free D-aspartic acid in the chicken embryo an in the neonatal rat. Life Sci. 1990; 46:1517-1522. 4. Hashimoto A, et al. Embryonic development and postnatal changes in free D-aspartate and D-Serine in the human prefrontal cortex. J Neurochem. 1993; 6 I:348-351. 5. D’Aniello A, et al. Involvement of D-aspartic acid in the synthesis of testosterone in rat testes. Life Sci. 1996; 59:97-104. 6. 11. Topo E, et al. The role and molecular mechanism of D-aspartic acid in the release and synthesis of LH and testosterone in humans and rats. Reproductive Biology and Endocrinology. 2009; 7:120.