Category

Saúde

Viagra feminino: tire suas dúvidas sobre o medicamento

A vida da mulher do século XXI não é fácil! Se dividir entre o trabalho, estudos, vida pessoal e familiar e ainda se manter firme exige muito de nós e, com isso, muitas consequências ocorrem. Ao final do dia, nem sempre estamos com a libido como gostaríamos e nessas horas um incrível medicamento pode nos auxiliar. Qual? O viagra feminino!

O remédio que se popularizou no final dos anos 90 entre os homens é responsável por aumentar a libido e manter a ereção na hora H. Mas, e nós? Infelizmente, muitos tabus ainda são presentes quando o assunto é a nossa sexualidade. Por isso, o Blog da 99fórmulas, com a ajuda da ginecologista Renata Gimenez, criou um guia completo sobre o estimulante sexual que vem cada vez mais sendo utilizado entre nós.

O que é o viagra feminino?

Segundo a especialista, o viagra feminino é composto por uma substância chamada Flibanserin. Antes, o medicamento foi muito utilizado como antidepressivo, no entanto, a sua utilização contínua mostrou diversos benefícios relacionados ao apetite sexual feminino quando utilizado diariamente por mais de quatro semanas.

“Ele age como agonistas e antagonistas dos receptores de serotonina, aumentando a dopamina e a norepinefrina em partes do cérebro e reduzindo a serotonina”, explica a especialista. Esses hormônios estão diretamente ligados ao amor, à felicidade e ao prazer.

Com o estresse do dia a dia, nem sempre, mesmo com carícias, elogios e uma boa performance masculina na hora da transa, a libido feminina é da forma adequada. O consumo do medicamento, auxilia nessas questões, deixando a mulher mais relaxada e aumentando o desejo.

Quais os efeitos do viagra feminino?

Como falamos, o viagra feminino age diretamente na liberação de hormônios ligados ao amor e ao prazer. Por isso, além de mais disposição sexual, a mulher sente mais desejo e prazer. Por ser classificado como antidepressivo, o Flibanserin também atua nas questões psicológicas e sentimentais, promovendo uma sensação mais agradável no dia a dia e na hora do sexo.

Qual a duração do efeito do viagra feminino?

De acordo com a Dra. Renata, para obter resultado, o Flibanserin, deve ser tomado diariamente na dose de 100mg, antes de deitar, pelos riscos de efeitos colaterais. “Seu uso é contínuo pelo período julgado necessário e com acompanhamento médico periódico”, ainda explica a ginecologista.

Essa é uma das diferenças entre o viagra feminino e o viagra masculino. Logo abaixo, confira outras diferenças entre os estimulantes para ambos os sexos.

Quais as diferenças entre o viagra feminino e o viagra masculino?

Segundo a especialista, o viagra masculino é indicado para os homens que sofrem de disfunção erétil, já para as mulheres, o Flibanserin, possui outra função. “ O viagra feminino tem uma ação central, alterando receptores cerebrais de serotonina, diminuindo serotonina e aumentado dopamina e noraepinefrina. Seu efeito aumentando o desejo feminino é desconhecida, mas a ação é a nível central (cerebral) e não local como no masculino”.

Como sabemos, a famosa pílula azul deve ser tomado uma hora antes da relação sexual e age favorecendo o relaxamento dos músculos lisos dos corpos cavernosos do pênis e a dilatação de artérias que levam sangue até eles, facilitando a entrada de sangue no pênis e consequentemente a ereção. Já o estimulante sexual feminino age na liberação de hormônios e deve ser consumido diariamente.

Quem pode tomar viagra feminino?

A Dra. Renata conta que as pacientes mais indicadas para o indicadas para o consumo do viagra feminino, são mulheres no período da pré menopausa, ou já estão nessa fase. “No período pré menopausa, mulheres com irregularidade menstrual e alterações hormonais, que indiquem o início da falência ovariana, que ocorre nas mulheres brasileiras geralmente próximo aos 45 anos”, conta a especialista.

No entanto, mulheres que ainda não estão nesse período, também podem consumir o medicamento, desde que, o mesmo seja recomendado por um especialista e o tratamento tenha o acompanhamento médico indicado.

Quando tomar o valor feminino?

Como falamos, o viagra feminino não age instantaneamente no corpo, como nós homens e deve ser consumido diariamente. Mas, qual a melhor hora para tomar viagra feminino? A especialista fala que o melhor momento para consumir esse remédio, é antes de dormir, dispensando jejum ou uma alimentação especial.

Mas lembre-se: a ação do Flibanserin só é reconhecida após o consumo diário por mais de quatro semanas. Inclusive, essa posologia é recomendada, pois como todo medicamento, o viagra feminino tem efeitos colaterais.

Quais são os efeitos colaterais do viagra feminino?

De acordo com a especialista, “9s principais efeitos colaterais dessa medicação é a queda de pressão podendo causar síncopes, tontura, sonolência, náuseas e fadiga”. Além disso, o viagra feminino não pode ser usado com álcool com aumento importante de efeitos colaterais, e não deve ser usado com medicações que inibem o CYP3A4, como antidepressivos e fluconazol.

Existem outros estimulantes sexuais femininos?

O corpo humano não é uma máquina! Quando falamos de uma vida sexual, são inúmeros os fatores que podem interferir no desejo, no prazer e na performance. A Dra. Renata explica sobre tudo o que acontece dentro de uma mulher quando o assunto é sexo.

“É importante entender que a falta de desejo sexual em mulheres tem origem multifatorial e que remédios tem eficácia limitada e muitos efeitos colaterais. Doenças como depressão, ansiedade, estresse, ou fatores como fadiga, cansaço, falta de privacidade, ou como a mulher enxerga seu corpo, se está insatisfeita, são causas importantes da falta de libido”.


Uma vida ativa e saudável também influencia nessas questões, fator não  exclusivo feminino. “Os maiores preditores de satisfação sexual em mulheres são, a saúde física e mental, além da qualidade do relacionamento com o parceiro. Portanto os tratamentos mais eficazes englobam melhora da saúde física e psicológica com aconselhamento psicológico, por exemplo, com uma terapeuta especializada em sexualidade para a mulher e para o casal”.

Outros medicamentos, como a bupropiona, androgênios como a testosterona e outros, tem indicações exatas e devem ser orientadas pelo médico, avaliando o caso particular de cada paciente. Mas antes de tomar o viagra feminino, o ideal é ter uma boa conversa com quem está ao seu lado e passar por uma bateria de exames.

Onde encontrar o viagra feminino?

O viagra feminino pode ser encontrado em diversas drogarias ou em farmácias de manipulação, tudo dependerá da indicação do seu ginecologista! Com o tratamento ideal e uma vida mais saudável, nosso corpo mudará e sim, nós podemos mais!

A ginecologista Renata Gimenez é nossa nova parceira no 99Fórmulas. Formada pela Faculdade de Medicina do ABC e em ginecologia e obstetrícia pela mesma instituição. Se especializou em ginecologia endocrinológica e reprodução humana pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP). Entende tudo sobre o corpo feminino e irá sempre nos ajudar com suas dicas!

faça uma cotação aqui!faça uma cotação aqui!

Sibutramina Emagrece? CUIDADO!

Muito se fala sobre os diversos tipos de medicamentos para emagrecer. No entanto, pouco é explicado sobre os verdadeiros efeitos que essas substâncias causam no organismo. Por este motivo, nós vamos te explicar um pouco mais sobre um dos mais utilizados pelos brasileiros, a Sibutramina.

Anteriormente, o cloridrato de sibutramina era muito utilizado como antidepressivo, no combate à ansiedade. Contudo, sua função no sistema nervoso, o faz ser muito utilizado no tratamento da obesidade. A seguir, entenda um pouco mais sobre o que a sibutramina faz no organismo e os seus verdadeiros riscos!

O que é Sibutramina?

A sibutramina é um antidepressivo, também utilizado como remédio para emagrecer. Sua função age diretamente no sistema nervoso, causando a liberação de hormônios como a noradrenalina e a serotonina. Quando liberadas, essas substâncias são responsáveis por causarem a sensação de saciedade, levando a pessoa que deseja perder peso rápido, a ter menos apetite.

Porém, como a maioria dos remédios que agem no sistema nervoso, a sibutramina causa efeitos colaterais, que ao longo prazo, podem causar diversos problemas para os pacientes. Por isso, o uso deste medicamento deve ser feito apenas após a recomendação de um especialista e com o seu devido acompanhamento.

Sibutramina emagrece?

Uma das maiores dificuldades de quem deseja emagrecer, é elaborar uma dieta adequada, ainda mais quando falamos de ansiedade e compulsão por comer. É neste ponto que a sibutramina ajuda. Aumentando a sensação de saciedade, quem consome esse tipo de substância, consequentemente, irá comer menos, ou até mesmo, passar horas sem comer – eis o perigo!

Não comer, pode acarretar em diversos outros problemas no organismo, ocasionando em fadiga, cansaço e fraqueza. Levando em consideração todos os efeitos colaterais da sibutramina, essas complicações podem ser ainda maiores!

No entanto, a função da sibutramina no organismo também ativa a termogênese, levando o paciente a perder peso. Mas para isso, é necessário que o tratamento seja feito com a posologia adequada, recomendada por um profissional do segmento.

Nesse sentido, utilizar sibutramina demanda o acompanhamento médico, seguido de uma dieta elaborada e a prática de exercícios físicos, afinal, é essa a combinação que faz qualquer pessoa emagrecer e ter uma vida saudável. Por isso, antes de se perguntar se sibutramina emagrece, é preciso uma avaliação médica e uma bateria de exames, verificando a real necessidade de seu tratamento.

Quais são os efeitos colaterais da Sibutramina?

As principais consequências do tratamento com sibutramina estão ligadas ao sistema nervoso do paciente. Consequentemente, o aumento da pressão arterial, ansiedade, alterações de sensibilidade e palpitações são comuns nas pessoas que consomem essas substâncias.

Algumas alterações no sistema digestivo também são vistas após o consumo desse medicamento. Mudança no paladar, má função do sistema intestinal (graves oscilações entre prisão de ventre e diarreias) e secura na boca também estão na lista dos efeitos colaterais da sibutramina.

Pessoas que sofrem de ansiedade poderão ter um aumento considerável em suas crises, já que a atuação é ligada diretamente ao sistema nervoso. Insônia, tonturas, delírios e estresse também ocorrem quando o consumo de sibutramina é feito em excesso, por isso: cuidado!

Quem pode tomar sibutramina?

Apesar de todos os seus efeitos colaterais, o uso de sibutramina é recomendado no tratamento de pessoas com obesidade, com o IMC (Índice de Massa Corpórea) superior a 30 mg/m. E claro, sem com o acompanhamento de um médico especialista e um nutricionista, afinal, sem uma dieta equilibrada é impossível se perder peso.

Quais são as contra-indicações da Sibutramina?

Pacientes que sofrem com hipertensão e problemas cardíacos, não devem em hipótese alguma consumir sibutramina. Além disso, seu consumo também não é recomendado a pessoas com distúrbios alimentares, como anorexia e bulimia.

Mulheres grávidas ou que estão em período de amamentação também não devem ser tratadas com o medicamento, levando em consideração a transmissão das substâncias da gestante para o bebê. Complicações cardíacas e outros problemas causados pelos excesso de peso como diabetes e colesterol também entram na lista das contra-indicações da sibutramina.

Onde encontrar sibutramina?

Mesmo com todos os efeitos colaterais, a sibutramina pode ser encontrada em diversas drogarias ou farmácias de manipulação. Porém, a venda do medicamento é feita somente após a prescrição médica.

Vale lembrar que, mesmo realizando o trabalho, alguns outros fatores são necessários para se perder peso, ter uma vida mais saudável e atingir o corpo desejado. Por isso, a mudança de hábitos alimentares, como evitar doces, calorias e gorduras, em conjunto com uma série de exercícios físicos, como musculação, aeróbica e dança também são fundamentais para emagrecer.

Herpes: conheça a doença, suas causas, sintomas e como se prevenir

Uma doença muito comum e que afeta diversos brasileiros é a herpes. Essa complicação é caracterizada por bolhinhas vermelhas que geralmente aparecem na boca, na região labial externa ou interna e na região pélvica de homens e mulheres.

Muitas pessoas já se viram na situação de aparecer com feridas parecidas com espinhas na boca, o que é, infelizmente, muito comum. É estimado que mais de 3,8 milhões de  pessoas tenham o vírus que transmite a herpes no organismo  — o Varicela Zóster, também responsável por causar a catapora — também conhecido como cobreiro e, por sua fácil transmissão, ocasionam a complicação da doença.

O médico Vinicius Lacerda nos ajuda a entender um pouco mais sobre essa complicação e desvenda alguns mitos. Confira a seguir.

O que é a herpes?

A herpes é uma complicação viral, transmitida na maior parte da vezes por meio do contato oral. O vírus causador da doença pode acarretar em complicações na boca ou na região genital. Ambas são bem parecidas, no entanto, se manifestam de maneiras diferentes.

“São dois tipos de vírus, mas os sintomas são semelhantes, mudando apenas a localização”, afirma o doutor. A herpes labial é chamada pelos especialistas de herpes tipo 1, enquanto a complicação que afeta a região genital é conhecida como herpes tipo 2.

Quais são as causas da herpes?

Como dissemos, uma das principais formas de transmissão da herpes é o contato oral. No entanto, esse não é o único meio de transmissão da doença — em se tratando da herpes tipo 1, diversas partes do corpo também podem ser afetadas, como os olhos, os dedos e as mãos.

O beijo, sexo oral e a utilização de utensílios como talheres, copos e, principalmente, escovas de dentes facilitam a transmissão do vírus, por meio da saliva. “Os casos de proliferação da doença se tornam mais vulneráveis, quando há a presença de vesículas ativas na região da boca”, afirma o especialista.

Também não pode-se descartar a transmissão vertical, passada da mãe para o bebê. Nesses casos, os meios de prevenção devem ser feitos na hora do parto e durante todo o tratamento pré-natal.

Quais são os sintomas da herpes?

Segundo o Dr. Vinicius, bolhas avermelhadas na região da boca, na glande, na vulva e no ânus são sinais de que a doença está ativa. No entanto, em teorias os sinais da herpes também podem aparecer em qualquer região do corpo.

Além disso, eventualmente também pode ocorrer saída de secreção das feridas e dor no local. “Febre baixa e indisposição também fazem parte dos sintomas da herpes”, explica o especialista.

Entretanto, assim como o HPV — outra doença que afeta a região genital — em muitos casos, o vírus pode permanecer em latência no organismo da pessoa e se manifestar em períodos de estresse, fadiga e queda de imunidade.

Existe cura para herpes?

Ainda não existe cura para a herpes. Porém, é possível tratar os sintomas causados pelo vírus. Alguns medicamento são extremamente eficazes na eliminação das vesículas e são recomendados por diversas áreas da saúde, como a dermatologia, a urologia, ginecologia e proctologia.

Como tratar a herpes?

Um dos princípios ativos mais conhecidos é a lisina, um aminoácido encontrado pronto em diversas farmácias de manipulação ou de laboratório. Ela é responsável por fortalecer o sistema imunológico e amenizar o aparecimento de feridas na boca e na região genital.

É muito importante lembrar que esse tipo de aminoácido não é recomendado a pessoas com hipersensibilidade à substância e mulher gestante ou em período de amamentação.

Outra forma de evitar a manifestação do vírus no organismo é elevando o consumo de Vitamina C,. Ela é responsável por aumentar a imunidade da pessoa, evitando que as temidas vesículas apareçam.

Evitar o consumo de alguns alimentos também podem auxiliar no tratamento da herpes. Ingredientes com um número de calorias elevados, como chocolate, amendoim, refrigerante, café e carboidratos em geral, não são recomendados enquanto as feridas estiverem expostas.

Como prevenir a herpes?

Manter os hábitos de higiene bucal é um dos primeiros passos para evitar a transmissão e o contágio da herpes labial. Evitar o contato direto com a boca de pessoas que estavam com as vesículas ativas também é essencial para não contrair a complicação.

Não compartilhar escovas de dentes e outros itens de higiene bucal também é fundamental, já que a saliva é o meio precursor da doença.

Pelo fato de também ser uma doença sexualmente transmissível, a falta de preservativos em relações sexuais também facilita a transmissão de herpes genital e labial. Por esse motivo, utilizar camisinha tanto em sexo oral, como no vaginal e anal é primordial para uma vida saudável e para a prevenção dessas complicações.

Continue ligado no blog da 99fórmulas, para conferir novidades e dicas para a sua saúde. Confira  outros artigos como este:
– Saiba tudo sobre a melatonina neste artigo